O que você faz pelo Jiu Jitsu ?

Eu sempre acreditei no jiu jitsu, seja nos benefícios que ele traz a qualquer praticante e que pude experimentar desde muito novo quando comecei a treinar, seja no Jiu Jitsu como negócio o que me fez decidir Viver de Jiu Jitsu ainda com 15 anos ou ainda na capacidade de expansão de nossa arte pelo mundo o que me levou a ser um co fundador da Alliance.

Embora tenhamos avançado em praticamente todos esses aspectos ainda acho que tem algo que nos segura de ir muito além, talvez por termos sido criados no ambiente da competição o que sem duvida nos trouxe incontáveis coisas boas, criamos entre nós uma relação de pouca cooperação e isso a meu ver desacelera o processo de crescimento do Jiu Jitsu.

É impressionante como qualquer pessoa bem sucedida em nosso esporte seja na area competitiva ou empresarial é mais invejada do que admirada, gera mais torcida contra do que inspira as pessoas a buscar o mesmo sucesso.

Esse tipo de pensamento nos enfraquece, deveríamos ser muito mais unidos e entender que o que é bom para o Jiu jItsu é bom para todos nós. Eu particularmente fico feliz quando vejo qualquer academia cheia de alunos independente da bandeira que ela representa, o significado é que ali provavelmente se faz um bom trabalho e isso é bom para todos.

Quando um aluno meu se muda de cidade eu sou o primeiro a ajuda-lo a achar uma nova academia para treinar independente de ser uma escola da Alliance ou não, o importante é que ele se mantenha treinando isso é bom para o jiu jitsu e bom pra mim pois caso ele volte a morar em minha cidade as chances dele treinar comigo de novo são enormes.

Todos os praticantes de jiu jitsu deveriam se preocupar em trazer mais pessoas para o nosso mundo, todos os professores deveriam se esmerar em tratar esses alunos com mais carinho e todos as pessoas que conseguem destaque como atleta deveriam cuidar muito de sua imagem e como inspiram as novas gerações.

Fazer parte de uma equipe é maravilhoso seja ela uma pequena academia um grupo de academias ou uma grande equipe com centenas de escolas filiadas, no entanto todas as equipes dependem do crescimento do esporte e por isso deveriam se juntar em várias causas.

Deixemos a competição para nos enfrentarmos e vermos quem é o melhor, fora das 4 linhas precisamos trabalhar juntos.

Quando lancei o Viver de Jiu Jitsu essa era a proposta e a satisfação de realmente poder ajudar centenas de professores tem sido uma das coisas mais recompensadoras que já fiz, me sinto realmente ajudando o jiu jitsu e gostaria de ver mais pessoas fazendo isso.

Por exemplo quando o Marcelinho Garcia lançou o MGINACTION pessoas comentaram: nossa mas ele vai filmar ele treinando? os adversários vão assistir tudo que ele esta fazendo…, fez alguma diferença na carreira dele? Claro que não! mas ele ajudou milhares de pessoas a melhorarem o jiu jitsu, isso foi seguido por vários atletas e professores de destaque e isso é ótimo eu incentivo meus alunos a assinarem e aprenderem o máximo que puderem.

Seguem alguns:

Roger Gracie TV, Cobrinha Online,  Lucas lepri Online, Irmãos Mendes, Atosonline, Alliance eu sou, BJJ Library, Renzo Gracie online

Compartilhar conhecimento e trocar experiências nos engrandece e ajuda toda a comunidade, se isolar com o que você sabe o torna menor e seu conhecimento muitas vezes obsoleto.                                                                                                                                                                                                                baixe o livro aqui

Temos ainda outros ótimos exemplos como o movimento Everydayporrada do Romulo Barral que inspira tantas pessoas a se dedicarem a seus propósitos ou o canal do Youtube com Mahamed Aly que divide várias questões e tenho certeza ajuda muita gente.

Quando pensamos em outros mercados fica mais fácil de entendermos o que estou querendo dizer, vamos pegar as cia aéreas por exemplo, elas disputam o mesmo passageiro muitas vezes e quem consegue se diferenciar em preço qualidade e atendimento se destaca no mercado, no entanto se todas não se preocuparem com a segurança dos aeroportos e das aeronaves, se não tiverem regras em comum e se não discutirem como fazer melhor o numero de passageiros diminui para todas.

Se acidentes começam a acontecer as pessoas param de voar por medo e o mercado derrete.
No Jiu Jitsu se as academias continuam a perder seus alunos por terem tido uma experiência ruim (e aqui poderíamos enumerar vários fatores que podem acarretar uma desistência) e não tem onde buscar ajuda pois as pessoas que tem sucesso não querem dividir a fórmula o mercado não esta se ajudando e quem hoje esta bem pode vir a ser afetado por todo o mal que os outros estão fazendo,

Quem viveu no jiu jitsu a década de 90 sentiu na pele o que era trabalhar com algo que a maioria da sociedade achava violento e tinha grande preconceito foi uma batalha difícil de ser vencida e que tirou muitos professores de qualidade do Brasil, alguns ajudaram na expansão do jiu jitsu pelo mundo mas muitos não resistiram e ficaram pelo caminho

Fico imaginando o dia que todos trabalharemos juntos em prol do crescimento do jiu jitsu colocando-o a frente em todas as nossas ações, estaremos falando de outro tamanho de sucesso.

5 Curiosidades Sobre o Jiu Jitsu que Você Precisa Saber

O que significa?

Jiu Jitsu é uma palavra japonesa que significa arte suave, esse nome é dado devido ao princípio das forças de alavanca onde o praticante pode executar com tranquilidade e eficiência as técnicas em adversários mais fortes e pesados.

O raciocínio é fundamental.

O Jiu Jitsu foi criado baseado na observação dos movimentos instintivos pois para cada situação de perigo agimos quase sempre da mesma forma, o jiu jitsu criou técnicas que agem exatamente nesse ponto tornando-as muito fáceis de aplicar e muito eficientes.

A semelhança entre o jiu jitsu e o xadrez.

O esporte que mais se assemelha ao jiu jitsu é o xadrez, pois após o momento onde seu adversário substitui o instinto pela técnica é necessário começar a analisar sua jogada para aplicar uma técnica que combata aquela tentativa e assim subsequentemente até que alguém consiga um golpe perfeito e termine a luta, prever e se antecipar ao seu adversário é o que difere um bom lutador de um excepcional.

A única luta que você pode se dar 100% e não se machucar.

No jiu jitsu quando perdemos ou através de uma chave ou de um estrangulamento temos o recurso dos 3 tapinhas de desistência, isso é mundialmente conhecido na luta e extremamente respeitado, não importa o quão duro um treino ou mesmo uma luta esteja os 3 tapinhas interrompe imediatamente a disputa e você está pronto para recomeçar e tentar de novo.

A única arte marcial possível após os 40.

Por ser uma luta que se desenvolve muito no solo e não tem impacto ou golpes traumáticos como chutes, socos, cotoveladas etc.. o jiu jitsu é a única luta que um praticante acima de 40 anos pode treinar de verdade e se desenvolver, pensando que você pode praticar para sempre esse esporte 40 anos ainda é bem cedo para começar.

Como Funciona a Dinâmica de uma boa Academia de Jiu Jitsu?

Talvez essa seja uma questão que você se pergunte e que muitas vezes por não ter certeza posterga seu início no jiu jitsu então decidi fazer esse texto para te contar.

Como escolher uma boa academia

Uma boa academia de jiu jitsu separa os níveis de turma isso quer dizer que você vai começar em uma turma exclusiva para iniciantes todos com a mesma compreensão do jiu jitsu que você. Não você não vai ser o único da turma que não sabe lutar.

Academias ainda mais preparadas não deixaram você “rolar” ou seja lutar de fato com outro companheiro até que você detenha o conhecimento total técnicas básicas, isso pode demorar alguns meses. Logo no início você vai basicamente entrar em forma, aprender as técnicas, compreendê-las e se preparar para começar gradativamente a rolar.

As melhores academias vão lhe oferecer aulas introdutórias particulares onde você terá um professor exclusivo para te explicar todos os primeiros passos para quando você entrar na turma já esteja super a vontade.

Quando ganho meu primeiro grau

Depois desse início bem tranquilo você começará a contar os dias para sua primeira graduação na faixa branca.

Que chamamos de grau, em minha escola isso se dá com 30 aulas, outras

boas escolas podem variar um pouco pra cima ou pra baixo mas essa é a média.

Ao chegar nesse estágio você começa a ter acesso a aula do Iniciantes ll e depois de mais 30 aulas em seu segundo grau você muda para a turma de intermediários onde ficará por mais 90 aulas até se tornar um faixa azul.

Iniciando a melhor parte

Nesse ponto você já saberá jiu jitsu e treinar se tornará um processo ainda mais prazeroso e evolutivo.

Saber onde você está no processo de aprendizado faz com que você trace suas metas e se dedique para alcançá-las.

 

JIU JITSU SOB MEDIDA – AULAS PARTICULARES E SUA IMPORTÂNCIA

                                                 GM Helio Gracie ensinando seu filho Royler Gracie

Jiu Jitsu sob medida.

Quando me decidi por ser professor aos 15 anos de idade costumava observar todos os professores de Jiu jitsu e como eles trabalhavam, o meu professor é claro sempre foi minha maior referência mas nunca a única fonte de informação.

Lembro que as Segundas, Quartas e Sextas ele saía para treinar na academia do Rickson e não tínhamos aulas com ele no período da manhã, pois o treino de avançados lá acontecia as 11hs.

Terça e Quinta a academia Gracie só funciona para aulas particulares.

Pensei, nossa que interessante dois dias da semana a academia é exclusiva para alunos particulares, os professores devem ganhar um bom dinheiro fazendo isso.

Incentivei o Jacaré a começar as aulas particulares em nossa academia e virei seu auxiliar direto, eu tomava as quedas as chaves de braço e os estrangulamentos por ele e em contra partida aprendia como tratar esse aluno e como era a dinâmica dessas aulas.

Quando já era faixa roxa comprei uma aula particular na academia Gracie para ter a experiência, fiz uma aula muito legal com o Mestre Rolker Gracie, que me ensinou alguns macetes e ainda deu um rolinha comigo.

Saí de lá radiante e entendi como funcionavam as aulas por lá.

Assisti muitas aulas também do Mestre Sylvio Behring onde aprendi demais, ia para a academia Corpo 4 no Rio de Janeiro sentava no tatame de manhã cedinho e observava ele ensinar. As vezes ele me usava como auxiliar as vezes eu só olhava.

Sempre que eu tinha uma oportunidade de ver alguém ensinando uma aula particular eu estava lá, e pude aprender muito em como conduzir esse tipo de aula, que tipo de estímulos os alunos precisavam, como treinar com eles, como ouvi-los e etc…

Quando montei minha primeira turma no Clube Federal no Rio de Janeiro comecei a oferecer aulas particulares para os alunos que queriam algo mais exclusivo.

Em pouco tempo eu tinha uma quantidade de alunos particulares que me faziam trabalhar muitas horas porém me davam quase o mesmo faturamento dos alunos de grupo.

Anos depois já faixa preta e morando em São Paulo continuei construindo essa carteira de alunos exclusivos e dando a eles um Jiu Jitsu sob medida para seus objetivos e biótipo físico, ajudando -os a montarem o tipo de jogo que fosse mais eficiente para eles sem deixar de lado o básico a defesa pessoal e os fundamentos.

Tudo era feito no tempo deles sem pressa.

O Jiu Jitsu se tornava mais democrático e atingia pessoas que não estavam dispostas e entrar em uma aula coletiva totalmente voltada para competição como era naquela época e que já debati aqui com vocês em outros artigos e vídeos.

Nessa época eu chegava a dar 12 aulas por dia sendo pelo menos 8 particulares.

Era extremamente cansativo mas eu sabia que estava criando uma cultura em minha academia que ficaria para sempre.

Ensinei meus professores a fazerem o mesmo e em um determinado momento decidi que era hora de sair de cena.

Larguei o faturamento de aulas particulares para organizar minha academia como negócio.Deixei meus professores encarregados de meus alunos e de tantos outros que se inscrevem todos os meses em minha academia.

Hoje são mais de 50 clientes/alunos nesse modelo de plano em minha academia e responsáveis por 30% de nosso faturamento.

Temos 2 salas exclusivas para essas aulas e abrindo a terceira no inicio do ano tamanha é a procura pelo Jiu jitsu sob medida.

O que aprendi em todos esses anos em milhares de aulas particulares e diferentes tipos de aluno, (vários que levei da branca a preta) foi que cada aluno tem seu objetivo, sua limitação e suas preferências e que o Jiu jitsu deve ser ensinado respeitando essas diferenças sempre que possivel.

Saber moldar o Jiu Jitsu para cada um deles me fez um professor muito melhor.

Me permitiu entender melhor a jornada do aluno o que posteriormente me ajudou na construção de nossa metologia (hoje espalhada em 270 escolas em 21 países)

Se sua academia não oferece esse tipo de aula talvez seja o caso de você repensar o seu modelo de negócio.

Se você não gosta de dar esse tipo de aula (conheço vários que não gostam) permita que outros façam em seu lugar.

Mas permita que sua academia seja um lugar para que todo e qualquer aluno se sinta bem em estar, certifique-se que você entrega o Jiu Jitsu para o mais diversificado publico possível.

Seu negócio agradece e o Jiu jitsu também!

Um abraço

 

 

Fabio Gurgel

4X World Champion

Hall of fame IBJJF

Alliance co-founder and CEO

PALESTRA FABIO GURGEL RD SUMMIT 2018

Dia 8/11 tive o prazer e a honra de palestrar no RD SUMMIT 2018 o maior evento de marketing digital da América Latina.

Contei como transformei o Jiu jitsu em um negócio escalável e como as técnicas de marketing digital me ajudaram a fazer isso.

Desde o dia que decidi que o Jiu Jitsu seria o que faria da minha vida em uma conversa com meu pai.

Minha faixa preta.

A fundação da Alliance em 93

A expansão internacional.

Meus titulos mundiais.

O racha da equipe.

A reconstrução

Os 11 titulos mundiais

A metodologia

A Gestão

O Marketing Digital.

O viver de Jiu Jitsu.

O Conceito Open Source.

Espero que gostem da palestra.

Abaixo o resumo disponível para o evento:

Nascido em 1970 no Rio de Janeiro, iniciou sua carreira no Jiu Jitsu aos 13 anos. Aos 16 anos, após conquistar alguns títulos como faixa azul e roxa se tornou instrutor na academia Jacaré Jiu Jitsu. Aos 19 foi o primeiro faixa preta formado pelo mestre Romero Jacaré conquistando 4 títulos mundiais nos anos 1996, 1997, 2000 e 2001. Em 1993 mudou-se para São Paulo onde fundou a Alliance SP academia que hoje conta com mais 500 alunos sendo umas das maiores referências do jiu jitsu mundial, onde se formaram atletas como, Marcelo Garcia, Rubens Charles Cobrinha, Bruno Malfacine, Michael Langhi, Sergio Moraes, Tarsis Humphreys, Luana Alzuguir, Andressa Correa, Gabi Garcia, Lucas Lepri, Leonardo Nogueira, Bernardo Faria, Isaque Bahiense que juntos somam 60 títulos mundiais na faixa preta. Ainda em 1993 foi um dos fundadores da equipe Alliance ao lado de Alexandre Paiva e do mestre Romero Jacaré. A equipe Alliance se consolidava a cada ano se tornando uma das mais importantes escolas de Jiu-Jitsu do Brasil e em 197começava sua expansão mundial com a inauguração da primeira filial internacional na Finlândia, seguida pela filial de Nova York em 1998 e tantas outra ao redor do mundo, hoje são mais de 250 filiais em 22 países sendo a única equipe 11 vezes campeã mundial na categoria masculino e 10 no feminino. Em 2017 criou o primeiro e mais completo curso de gestão para academias de jiu jitsu o VIVER DE JIU JITSU que já ajudou centenas de academias ao redor do mundo. Atualmente se dedica a compartilhar a metodologia criada no ensino do jiu jitsu com toda comunidade procurando assim elevar o nível do jiu jitsu mundial.

FAIXA PRETA DE VERDADE

Hoje dia 23 de Outubro de 2018 faço 29 anos de faixa preta e queria dividir com vocês a minha opinião do que é ser umfaixa preta de verdade.

Me lembro como se fosse hoje o dia que recebi a faixa das mãos de meu Mestre Romero Jacaré em sua pequena academia em Ipanema.

Não era um evento comum de acontecer por lá, aliás nunca havia ocorrido, uma vez que eu tive a honra de ser o primeiro graduado a faixa preta por ele.

A sensação daquela conquista aos 19 anos de idade foi algo inesquecível, era a concretização de um sonho e com certeza minha maior conquista até aquele momento da minha vida.

Eu de fato me sentia pronto para aquele momento, já dava aulas ha algum tempo tinha um bom nível técnico um otimo resultado em competições, sim eu era um faixa preta.

Mas é claro que precisamos dar um desconto a um garoto de 19 anos no entendimento do que significa realmente ser um faixa preta.

E por isso resolvi dividir com vocês aqui o meu entendimento do que é ser um faixa preta de verdade depois de já ter percorrido quase que essa jornada inteira, ainda faltam 2 anos para que eu possa receber a faixa coral da IBJJF pelas regras de hoje.

Voltando ao inicio quando eu recebi minha faixa a evolução técnica era minha prioridade, e acho que ser um faixa preta significa conhecer os fundamentos e “todas” as técnicas do jiu jitsu.

O que torna a missão hoje mais dificil pois se tem muito mais técnicas para aprender e é impossivel que você conheça todas, mas devemos nos aproximar disso e para que isso seja possivel precisamos nos manter sempre abertos a aprender, faixa preta não é uma chegada mas sim um caminho.

Você precisa dominar as técnicas a ponto de poder repassa-las, seja você um professor profissional ou não, compartilhar conhecimento no meu entender é obrigação de todo faixa preta de verdade.

Quando você ensina existem duas coisas muito importantes a se pensar, a primeira é seu exemplo, não me venha com esse papo de “faça o que eu digo não faça o que eu faço” seu aluno tende a se espelhar em você, seja responsável e sempre um bom exemplo, suas atitudes vão falar sempre mais alto, cuidado!

A segunda é o respeito, entender que pessoas tem diferentes habilidades e objetivos, respeita-los nas diferenças e fazer com que o Jiu jitsu seja parte da vida deles pelo maior tempo possivel deve ser a missão do faixa preta de verdade.

Para que você possa repassar conhecimento você precisa ter vivido a experiência, como eu vou entender o sentimento do outro se eu nunca estive lá? Isso vale para campeonatos e outras tantas experiências que o jiu jitsu pode te trazer, por exemplo: já treinou com o dedo machucado? não? então como você pode dizer para um aluno treinar ou não nessa situação?

Acumular experiência e repassa-la é o que se espera do faixa preta.

Se permita viver os desafios que aparecerem em seu caminho, durante todo o processo busque a vitória mas entenda que não é ela o mais importante, ser de VERDADE é.

Se mantenha eternamente aberto a aprender, nunca pose de dono da verdade, você não é, e se fizer isso posso te garantir será de mentira.

O jiu jitsu me ensinou ao longo de todos esses anos que pessoas diferentes fazem técnicas de forma diferente e não existe certo ou errado e sim o que funciona e o que não funciona.

Ser de verdade é se manter treinando mesmo entendendo que você não será mais aquele lutador de outros tempos, você vai perder a explosão, talvez a força e com certeza o tempo de reação o que vai comprometer definitivamente a sua performance, mas e daí, adapte-se.

Não se esconda atrás de sua graduação, treine com todos que te convidam para treinar seja com os que você ganha, com os que você perde e com aqueles que são os que te testam de fato, faça isso independente da graduação, esse papo de faixa preta não poder ser chamado por alunos menos graduados é tipico de quem não é de verdade. Não isso não tem nada a ver com respeito.

Ser faixa preta não te torna melhor do que ninguém, repeite todos da mesma forma no tatame, sabe aquela situação onde o faixa preta esbarra na dupla do lado e manda o outro que estava no espaço dele sair só porque é menos graduado? tipico do faixa preta de mentira.

Carregue a imagem do Jiu jitsu por onde quer que você vá e em tudo que você faz.

Pratique a gentileza durante todo o tempo, agressividade na maioria das vezes denota insegurança, busque essa paz dentro de você.

Tenha muitos adversários mas não cultive inimizades, quando a luta acabar ou as vezes o periodo de rivalidade seja grato aquele que te fez treinar mais se dedicar mais aquele que te fez melhor do que você era. Diga isso a ele, ele provavelmente tem o mesmo sentimento por você.

Entenda que no jiu jitsu ninguem nunca é bom o suficiente e ter a faixa preta na cintura não te torna um de VERDADE, isso é construido diariamente com nossas ações, lembre-se estamos todos em uma jornada, faça com que suas atitutes sejam motivos de orgulho quando você olhar para trás.

Caso tenha errado no caminho, assuma o erro peça desculpas e siga evoluindo.

Nunca é tarde para nos tornarmos faixas pretas de verdade.